Exceção bolar (art. 43, inciso VII da LPI): limites finalístico e temporal

Em uma concepção clássica, a patente representa um direito imaterial conferido pelo Estado àquele titular de uma invenção que, ao decidir abrir mão de seu segredo de indústria (tornando-o acessível à sociedade), passa a gozar de uma exclusividade temporária de exploração sobre o bem, por um período mínimo determinado em lei.[1]

Tal como dispõe João da Gama Cerqueira,[2] o tipo de propriedade assegurado pela patente garante ao titular, durante a sua vigência: (a) em seu aspecto positivo, a faculdade de usar, gozar e dispor da invenção; e (b) em seu aspecto negativo, o direito – essencialmente erga omnes – de obstar que terceiros a explorem (ius persequendi).

Conforme estabelece o art. 78, parágrafo único da Lei nº 9.279/96, assim que expirado o prazo ex lege de proteção do referido invento, a patente é extinta e o seu objeto ingressa em domínio público, um fenômeno estruturalmente natural e inevitável, passando a haver então a livre exploração do invento por parte da sociedade.

Ocorre que a depender da seara comercial, existem certos produtos que, não obstante suas patentes já terem expirado, por questões de segurança e até para se evitar riscos à saúde humana, dependem de registro sanitário para serem comercializados, tais como dispositivos médicos, fármacos e insumos agrícolas, o que envolve um procedimento administrativo moroso e burocrático, podendo levar anos para ser concluído.

Na prática, isso significaria dizer que mesmo após a expiração da patente, seu objeto provavelmente só viria a ser explorado por outros agentes econômicos – via comercialização do produto – depois de meses (ou até anos), conferindo ao titular da aludida patente recém expirada, uma prorrogação indevida de exclusividade, destarte afetando não apenas o mercado concorrente, como principalmente o público consumidor.

A exceção bolar surge, então, como uma ferramenta da Lei nº 9.279/96 a possibilitar a rápida entrada no mercado de alternativas a produtos patenteados (após a expiração das respectivas patentes) que dependam de autorização sanitária, permitindo que terceiros não autorizados façam uso da tecnologia objeto de patente (ainda vigente) com o exclusivo propósito de produzir informações e dados experimentais para fins de obtenção deste registro comercial.

Contudo, por compreender uma regra de exceção, sua aplicabilidade depende de uma observância rígida e adstrita aos elementos insertos em seu enunciado (art. 43, inciso VII), e é justamente neste sentido que o presente artigo propõe uma breve reflexão: afinal, quais seriam essas condições – de naturezas finalística e temporal – a serem observadas como pressupostos existenciais da exceção bolar? E em termos práticos, como elas se materializam?

[1] Ressalta-se que no caso do Brasil, a CRFB/88 (art. 5º, inciso XXIX) estabelece uma indissociável condição finalística a tal proteção à criação industrial, consubstanciada no fomento ao interesse social e ao desenvolvimento tecnológico e econômico do país.

[2] CERQUEIRA, João da Gama. Tratado da Propriedade Industrial. In: BARBOSA, Denis Borges. Tratado da Propriedade Intelectual: Patentes, Tomo II 2ª Ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2017. p. 1489.

 

Artigo publicado na revista da ABPI. Leia na íntegra aqui.

Voltar


Telefones

Rio de Janeiro
(55 21) 2102 4212

São Paulo
(55 11) 2103 9107

Escreva para nós