Dia Mundial da Telecomunicação e da Sociedade da Informação

Por Andréia Santos e Luciano da Fonseca

A comunicação sempre esteve no cerne da existência do ser humano. Ao longo da história, os indivíduos fizeram uso de diversas formas de expressão para comunicar suas ações rotineiras, desde as pinturas rupestres nas cavernas no período paleolítico[1] – cerca de 40 mil anos atrás – até os emojis, stickers e gifs, utilizados na atual sociedade da informação e do conhecimento.

A comunicação interpessoal se desenvolveu e, juntamente com as pinturas, as expressões corporais e verbais. A emissão de sons começou a ganhar contornos mais precisos, os movimentos físicos se tornaram mais objetivos, e nessa diversidade de línguas e culturas ao redor do mundo, desenvolvemos a escrita.

Surgindo na Mesopotâmia entre 3,200 e 3,000 A.C., a escrita cuneiforme[2] se baseava em um sistema de pictogramas, não possuindo linearidade. O progresso da escrita veio com o advento do alfabeto no Egito Antigo por volta de 2,700 A.C. com os hieróglifos e posteriormente aperfeiçoado com o alfabeto Grego, por volta de 800 A.C[3]., que é o utilizado pela cultura ocidental.

Desde então, passamos pelas conversas de Sócrates eternizadas por Plato[4]  (sim, Sócrates nunca escreveu um livro), pelo primeiro livro impresso por Gutenberg em 1439[5], pela disseminação da comunicação mundial com o telégrafo por volta de 1840[6], criação e disseminação da Televisão nos anos de 1930, chegando à revolucionária “Maquina de Turing” de Alan Turing[7] e seus estudos sobre criptografia e teoria da computação, possibilitando gênios como Bill Gates e Steve Jobs, dentre tantos outros, transformar os meios de comunicação chegando aos nossos computadores, smartphones e tablets.

Toda essa perspectiva histórica, ainda que de forma resumida, serve para que reflitamos sobre o Dia Mundial da Telecomunicação e Sociedade da Informação, que se comemora hoje, dia 17 de maio, e para toda a caminhada evolucionária percorrida pela sociedade e sua busca por e pela informação.

Neste dia, em 1865, criava-se a Convenção Telegráfica Internacional (CTI)[8] e, posteriormente aderindo às Nações Unidas (UN) em 1969, tornaria-se a International Telecommunication Union (ITU) abrangendo toda e qualquer forma de comunicação social e promovendo propósitos humanitários, completando 50 anos – ou 154 anos da CTI – em 2019.

De acordo com a própria ITU[9], o objetivo do Dia Mundial das Telecomunicações e da Sociedade da Informação é ajudar a aumentar a conscientização sobre as possibilidades que o uso da Internet e outras tecnologias da informação e comunicação (TIC) podem trazer para as sociedades e economias, bem como corrigir a disparidade digital e tecnológica existente.

O tema deste ano é “Preenchendo a Lacuna de Padronização”, ou seja, como uma agência especializada das Nações Unidas para as Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs), a ITU busca estabelecer padrões para ajudar a acelerar as TICs em prol dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável[10].

Focando em iniciativas para (a) participação dos países em desenvolvimento no processo de elaboração de normas da ITU; (b) capacitar especialistas locais no processo de padronização em nível nacional, regional e internacional; e (c) promover a implementação de padrões internacionais em países em desenvolvimento. Tendo o Brasil um papel central na América Latina para promoção dessas oportunidades.

Foi estabelecido, em 1992, o Escritório-Chefe da ITU para a Região das Américas em Brasília, com o principal objetivo de atuar no marco das estratégias de desenvolvimento do setor das telecomunicações na região, sendo apoiado pelos Escritórios de Área localizados em Barbados, Santiago do Chile e Tegucigalpa em Honduras.

Atualmente, o Brasil é signatário de projetos de cooperação técnica internacional com a ITU, além de iniciativas nacionais. A ITU esteve envolvida em projetos e ações de apoio à integração das comunidades indígenas, de crianças e jovens brasileiros na Sociedade da Informação, obtendo papel de destaque também na modernização das telecomunicações brasileiras como a criação do atual órgão regulador, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel).

Em 2009, o país foi homenageado com o prêmio Mundial de Telecomunicações e Sociedade da Informação em virtude dos esforços nacionais em favor da inclusão digital, e os dados mais atuais da última Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD-Contínua) TIC 2017 expõe a continuação e resultado desses esforços.

De acordo com a agência de notícias do IBGE[11], o percentual de domicílios que utilizavam internet subiu de 69,3% em 2016 para 74,9% em 2017 – aumento de 5,6 pontos –, tendo o número de telefones fixos caído de 33,6 para 31,5%. Enquanto isso, a presença do celular cresceu, chegando a 93,2% dos domicílios em 2017, 0,6% a mais do que em 2016.

Em decorrência, cresceu também o número de pessoas que acessaram a internet através do celular entre 2016 e 2017, passando de 94,6% para 97%, sendo a parcela que usou a televisão para esse fim – as Smartv’s –   passou de 11,3% para 16,3%. Mediante esses acréscimos, a utilização dos microcomputadores – ou notebooks – para acessar a rede caiu de 63,7% para 56,6%, evidenciando uma migração das ferramentas de acesso.

Além disso, a pesquisa demonstra um crescimento em todas as faixas etárias, sendo o maior percentual no grupo entre 20 a 24 anos (88,4%) e o maior aumento proporcional (25,9%) no grupo etário de 60 anos ou mais, subindo de 24,7% em 2016 para 31,1% em 2017.

Ainda que o mundo continue progredindo no âmbito da comunicação, desenvolvendo tecnologias que facilitem falarmos um com os outros, com menos toques – ou até nenhum – em nossos smartphones, esse avanço tecnológico segue se restringindo a nichos com maior poder aquisitivo ou países mais desenvolvidos.

A União Internacional de Telecomunicações tem exatamente o objetivo de expandir essa utilização e tecnologia na área, tendo como objetivo “Conectar o Mundo” mobilizando recursos humanos, técnicos e financeiros que sejam necessários ao alcance das metas de conectividade estabelecidas no marco da Cúpula Mundial sobre a Sociedade da Informação (CMSI) e de cada iniciativa regional, fomentando a redução da brecha digital no mundo.

O gráfico, extraído do próprio órgão, faz uma estimativa da utilização de internet nos domicílios em todo o mundo, evidenciando as disparidades por região do globo. Clique aqui para acessar o gráfico.

Como missão, a ITU[12] busca diminuir essas diferenças por meio da coordenação de normas mundiais para prover interconexão entre vários sistemas de comunicação, promovendo a cooperação internacional na área de satélites orbitais, elaborando melhorias na infraestrutura de telecomunicações junto a países em desenvolvimento, além de dedicar atenção especial a temas como mudanças climáticas, segurança cibernética e acessibilidade.

Hoje, com 192 países membros e mais de 700 membros de Setor e Associados – sendo setor público, privados, centros de pesquisa e universidades – a ITU utiliza o Dia Mundial da Telecomunicação e da Sociedade da Informação como forma de lembrarmos da importância da comunicação como bem intangível a todo ser humano, tendo importância política, ecológica, econômica e, principalmente, social.

Como disse Joaquim Manuel de Macedo, “A história e a ciência não param, caminham sempre, e cada dia que passa uma novidade surge”. Que essas novidades sejam de todos, e para todos.

 

[1] O período paleolítico é a primeira fase da Idade da Pedra. Começa por volta de 2,58 milhões de anos atrás, baseando-se na primeira ferramenta pré-histórica encontrada, indo até 11,700 A.C. – BRITANNICA, The Editors Of Encyclopaedia. Paleolithic Period. 2018. Encyclopædia Britannica, inc.. Disponível em: <https://www.britannica.com/event/Paleolithic-Period>. Acesso em: 13 maio 2019.

[2] A escrita Cuneiforme era feita em tabletes de argila, devido a sua abundância de material, facilidade e praticidade. – Spar, Ira. The Origins of Writing. In Heilbrunn Timeline of Art History. 2004. New York: The Metropolitan Museum of Art, 2000. Disponível em: http://www.metmuseum.org/toah/hd/wrtg/hd_wrtg.htm. Acesso em: 13 maio 2019

[3] Crabben, J. V. D. Alphabet. Ancient History Encyclopedia. 2011. Disponível em: https://www.ancient.eu/alphabet/. Acesso em:> 13 maio 2019

[4] Nails, Debra, “Socrates“, The Stanford Encyclopedia of Philosophy. 2018. Edward N. Zalta (ed.). Disponível em: <https://plato.stanford.edu/archives/spr2018/entries/socrates/>. Acesso em: 14 maio 2019

[5] BRITANNICA, The Editors Of Encyclopaedia (Org.). Printing press. 2018. Encyclopædia Britannica, inc.. Disponível em: <https://www.britannica.com/technology/printing-press>. Acesso em: 13 maio 2019.

[6] EDITORS, History.com (Org.). Morse Code & The Telegraph. 2009. A&E Television Networks. Disponível em: <https://www.history.com/topics/inventions/telegraph>. Acesso em: 13 maio 2019.

[7] De Mol, Liesbeth, “Turing Machines“, The Stanford Encyclopedia of Philosophy.  2018. Edward N. Zalta (ed.), Disponível em: <https://plato.stanford.edu/archives/win2018/entries/turing-machine/>. Acesso em 14 maio 2019.

[8] ITU International Telecommunication Union. Discover ITU’s History. 2000. Disponível em: <https://www.itu.int/en/history/Pages/DiscoverITUsHistory.aspx>. Acesso em: 13 maio 2019.

[9] (UN) United Nations. World Telecommunication and Information Society Day 17 May. 2019. United Nations. Disponível em: <https://www.un.org/en/events/telecommunicationday/index.shtml>. Acesso em: 13 maio 2019.

[10] Sustainable Development Goalshttps://www.un.org/en/events/telecommunicationday/index.shtml

[11] IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estaística. PNAD Contínua TIC 2017: Internet chega a três em cada quatro domicílios do país. 2018. Disponível em: <https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-sala-de-imprensa/2013-agencia-de-noticias/releases/23445-pnad-continua-tic-2017-internet-chega-a-tres-em-cada-quatro-domicilios-do-pais>. Acesso em: 13 maio 2019.

[12] (UN) UNITED NATIONS. União Internacional de Telecomunicações. 2018. United Nations. Disponível em: <https://nacoesunidas.org/agencia/uit/>. Acesso em: 13 maio 2019.

Voltar


Telefones

Rio de Janeiro
(55 21) 2102 4212

São Paulo
(55 11) 2103 9107

Escreva para nós